Será que o gênero do Psicólogo realmente importa?

Dois ovos amarelos, em um fundo azul. Um ovo tem o símbolo grego da masculinidade, e o outro da feminilidade

Categoria: Outros

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

A frase: “Precisa de terapia? É difícil encontrar um bom homem!” destaca o fato de que o gênero do Psicólogo influencia o campo da terapia, e os homens a têm abandonado ao longo décadas. Tanto é verdade que a profissão se tornou quase totalmente dominada por mulheres.

Menos de 20% dos Psicólogos hoje são homens, e nem sempre foi assim. Mas, o que está acontecendo com a profissão de Psicólogo? Por que os homens gradualmente abandonaram o campo? E o gênero do Psicólogo realmente importa?

As razões para os homens fugirem do campo da Psicologia são muitas.

Em primeiro lugar, o financeiro

Nas últimas décadas, tornou-se cada vez mais difícil ganhar uma vida decente como terapeuta em qualquer disciplina, seja na psiquiatria, na psicologia clínica ou como terapeuta familiar.

Para os homens que tradicionalmente têm uma família para sustentar ou devem se sustentar, a profissão de Psicólogo, especialmente a praticada na clínica privada, não é mais uma fonte viável de renda estável. Muitos Psicólogos abandonaram a profissão, encontrando trabalho em outros locais com melhores salários.

Já para as mulheres, que não dependiam somente da clínica privada ou eram sustentadas financeiramente pelos cônjuges e, portanto, não precisavam ganhar tanto dinheiro, podiam entrar ou permanecer na profissão.

Não se trata apenas de dinheiro

Visto que tantos homens em nossa sociedade valorizam muito o status e o poder, e como o status e o poder estão intimamente associados ao dinheiro, alguns homens optam por buscar status e poder em profissões financeiramente mais recompensadoras do que em psicologia.

A psicologia já foi uma profissão lucrativa. Além disso, as profissões de saúde mental, e em especial a psicologia clínica, perderam status e prestígio em geral.

Em outra época, os psicólogos clínicos eram vistos como especialistas altamente respeitados, e considerados provedores de terapia amplamente qualificada, enquanto hoje eles são classificados apenas como um dos incontáveis ​​provedores de saúde mental que, ao contrário dos psiquiatras, não podem prescrever medicamentos para os pacientes.

Os psiquiatras, por outro lado, ainda são predominantemente do gênero masculino, mas isso também parece estar lentamente mudando.

Leia também:  Compreenda os mecanismos de defesa e proteja sua saúde mental

Uma razão pela qual muitos psiquiatras homens não mudaram de profissão ou especialidade médica é que eles exercem sua opção como médicos exclusivamente psicofarmacologistas, uma prática muito mais recompensadora financeiramente do que a terapia jamais poderia ser.

Consequentemente, seu status, poder e renda permanecem preservados. Mas a maioria dos psicólogos clínicos e outros terapeutas não médicos não têm essa opção duvidosa e, em alguns casos, cínica.

Mas esse fenômeno alarmante é mais profundo do que qualquer um desses fatores isoladamente.

Publicidade

Quem é culpado pela debandada do Psicólogo do gênero masculino?

Normalmente as mulheres são culpadas quando uma profissão perde status, mas, neste caso, elas avançaram para o campo e tomaram seus lugares. Embora isso seja verdade, também deve ser admitido que durante o mesmo período houve uma desvalorização generalizada do “masculino” arquetípico pelas mulheres, tanto dentro quanto fora da profissão de saúde mental.

Muito dessa desvalorização foi uma reação compensatória contra a anterior desvalorização do “feminino” na psicologia e na psiquiatria, começando com Sigmund Freud. Os famosos pupilos de Freud, Rank e Jung, tentaram neutralizar esse preconceito patriarcal na psicanálise reabilitando o “feminino” em suas próprias abordagens, como fez a analista pioneira Karen Horney.

Uma manifestação dessa desvalorização do masculino pelas mulheres pode pode ser visto na tendência relativamente recente delas buscarem tratamento apenas de Psicólogas.

Uma preferência de gênero que aparentemente afetou negativamente o número de casos, e já diminuindo a renda, dos profissionais do sexo masculino, uma vez que as mulheres historicamente constituem uma porção maior dos consumidores de terapia.

O gênero do Psicólogo realmente importa?

Não há nada na literatura científica dominante que indique uma significante correlação entre gênero e resultado de tratamento. Isso sugere, inequivocamente, que a diferença de gênero não reflete qual Psicólogo, seja homem ou mulher, é melhor e mais eficaz.

Mas esse não é o ponto. Um Psicólogo masculino pode ser mais eficaz para alguns pacientes do que para outros; assim como uma Psicóloga pode ter mais sucesso com certos pacientes do que com outros.

Parte dessa diferença tem a ver com gênero, sim e, muitas vezes, com um gênero inconsciente. Alguns Psicólogos, por exemplo, tem medo ou não fazem contato com sua agressão “masculina”, enquanto outros estão afastados de seu lado e sentimentos “femininos”.

Algumas Psicólogas se identificam exageradamente com o “masculino” ou o desvalorizam e o dissociam em suas próprias personalidades. Tudo isso pode entrar em ação durante a terapia, e geralmente ocorre inconscientemente na forma do que chamamos de “contratransferência” e outros pontos cegos e preconceitos por parte do Psicólogo.

Por exemplo, quando as mulheres pisaram no vazio deixado pelos homens no campo da psicologia clínica e outras profissões da saúde mental, muitas adotaram a perspectiva “masculina” dos homens e a orientação racional para o tratamento.

A Terapia Cognitivo Comportamental é um bom exemplo dessa abordagem altamente “masculinizada” hoje, que atribui primazia à racionalidade e ao pensamento sobre o afeto, o inconsciente e os chamados aspectos “irracionais” (isto é, “femininos”) da experiência.

Leia também:  Como reagir quando alguém te bloqueia nas redes sociais?

A escolha dessa orientação lógica e mecanicista para o tratamento representa uma supervalorização do “masculino” e uma desvalorização do “feminino” na própria terapia.

Paradoxalmente, dada a vasta popularidade da TCC com as mulheres de hoje e os poucos Psicólogos restantes do gênero masculino em oposição a abordagens mais analíticas, humanísticas ou existenciais, é claro que, infelizmente, a “feminização” do campo da terapia em termos de gênero não se traduz necessariamente em uma orientação mais verdadeiramente “feminina” para a terapia.

Uma Psicóloga pode se relacionar adequadamente com aquilo que é arquetípica e instintivamente masculino?

Muito disso depende, em minha opinião, de quão consciente e relacionada ela é com o que Jung chamou de seu animus ou masculinidade interior, além de suas próprias experiências pessoais com homens.

Para os Psicólogos do gênero masculino que tratam de pacientes do gênero feminino, o mesmo pode ser dito a respeito da consciência e da atitude em relação à anima ou feminilidade interior. Muito parecido com seus pacientes, os Psicólogos podem sofrer inconscientemente de qualquer “medo do feminino “ou” medo do masculino”.

E, a menos que tenham olhado para esse medo em si mesmos e seu significado psicológico, pode ser difícil ajudar os outros a lidar com ele.

Mesmo assim, alguns homens simplesmente não se sentem à vontade para conversar intimamente com uma Psicóloga sobre esses assuntos. Assim como algumas mulheres se sentem incomodadas com Psicólogos do gênero masculino.

Agora, as razões para esse desconforto, para ambos os gêneros, podem ser e na minha experiência, muitas vezes são, formas neuróticas de transferência negativa, resistência ou desconfiança arraigada e medo do sexo oposto. Ou, às vezes, do mesmo sexo. Ou a própria sexualidade.

Em muitos desses casos, pode ser aconselhável que o paciente do sexo masculino, apesar de suas reticências, consulte corajosamente uma Psicóloga e trabalhe sua ansiedade com ela, como parte do processo de tratamento. Ou vice-versa para a paciente reticente.

E agora? O que será da Psicologia?

De qualquer modo, permanece o fato de que homens e mulheres têm perspectivas, psicologias e experiências de vida muito divergentes, e cada um traz algo diferente para o consultório de psicologia.

O gênero do Psicólogo não deve ser nem melhor, nem pior, superior ou inferior. Apenas diferente, e igualmente valioso. É por isso que é sabiamente recomendado, e em alguns programas de treinamento clínico exigido, que os trainees sejam submetidos a dois cursos de terapia ou análise: um para cada gênero.

Leia também:  Os discretos sinais de que o ex ainda está apaixonado por você

Essencialmente, a melhor terapia não é aquela que apenas elimina algum sintoma específico, mas que confronta os próprios demônios, enfrenta os próprios medos, descobre o seu verdadeiro eu, encontra e cumpre o seu destino.

Nesse sentido, a terapia é um tipo de orientação e iniciação à poderosa sabedoria para lidar com os problemas mais complexos da vida.

Em diferentes culturas ao redor do mundo, por milênios, os homens jovens foram iniciados na idade adulta e nos segredos essenciais da masculinidade por outros homens, assim como as mulheres jovens foram iniciadas por outras mulheres.

A sabedoria consagrada pelo tempo de tais rituais transformativos estruturados, socialmente sancionados, sugere que é crucial reconhecer e honrar as profundas diferenças, tanto biológicas quanto psicológicas, entre homens e mulheres, e que há certas tarefas iniciáticas melhor conduzidas especialmente por membros preparados do mesmo gênero.

A terapia pode ser vista como um daqueles processos arquetípicos em que segredos essenciais e suporte sobre o que realmente significa ser um homem ou uma mulher neste mundo, e como navegar construtivamente pelas perigosas crises da vida são recebidos pelo paciente perturbado, paralisado, confuso ou desesperado.

De fato, esta é uma das contribuições mais valiosas e cruciais que a terapia pode oferecer à sociedade e ao indivíduo. Essas crises existenciais e ritos de passagem árduos podem diferir significativamente para homens e mulheres.

Tornar-se um homem maduro não é exatamente a mesma tarefa que se tornar uma mulher madura e, às vezes, exige um conjunto muito diferente de habilidades. Mas, dada a atual “feminização” da terapia, para onde os homens irão quando quiserem obter uma ajuda tão necessária?

E, se as mulheres continuarem a dominar completamente o campo da terapia, o que acontecerá com os segredos clínicos essenciais da masculinidade? Quem serão os guardiões culturais e professores desta sagrada sabedoria masculina tradicional, passada de uma geração de Psicólogos para a próxima?

Apesar de, ou realmente, devido às nossas diferenças de gênero, ainda temos muito que aprender uns com os outros. Mas os homens sempre precisarão ser orientados e iniciados na masculinidade principalmente por homens, não por mulheres, e vice-versa.

Agora que há uma séria escassez de homens permanecendo ou ingressando na profissão de Psicólogo, os pacientes infelizes têm ainda menos opções, e não apenas em relação ao tipo de tratamento que recebem, mas que gênero o proporcionará.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *