Religião e espiritualidade na prática da terapia psicológica

Várias pessoas de diversas religiões manifestando sua fé durante o pôr-do-sol

Categoria: Terapia online

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Perguntar sobre as crenças e práticas espirituais e religiosas dos pacientes, se houverem, deve fazer parte da rotina dos Psicólogos.

Isso é verdade para todas as formas de terapia, mesmo quando o Psicólogo não pretende se envolver em nenhum tipo de tratamento orientado espiritualmente.

Com o tempo, a Psicologia tornou-se conhecido por patologizar, ou pelo menos ignorar benignamente, crenças religiosas e espirituais como aspectos do bem-estar psicológico das pessoas.

É comum que os Psicólogos ignorem ou evitem abordar a espiritualidade e a religião dos pacientes na terapia.

Tais questões são evitadas durante a formação e, portanto, aparentemente irrelevantes para o trabalho clínico.

Afinal, os Psicólogos são profissionais de saúde mental, não membros do clero.

Quem procura terapia também não vê a espiritualidade e as questões religiosas como parte do que ocorre durante a sessão.

Publicidade

Os paciente percebem que os Psicólogos abordam questões de saúde mental, enquanto os membros do clero abordam questões religiosas e espirituais.

Algumas definições

A religião é como um sistema organizado de crenças, rituais, práticas e comunidade, orientado para o sagrado.

Ela tende a se concentrar em organizações formais baseadas em crenças, práticas e tradições especificamente definidas e amplamente aceitas.

A espiritualidade, em contraste, é pensada como uma busca pelo sagrado, um processo pelo qual as pessoas buscam descobrir, manter e, quando necessário, transformar tudo o que consideram sagrado em suas vidas.

Esta é uma experiência muito particular, e não precisa fazer parte de experiências na religião organizada.

Contudo, alguém pode ser religioso, mas não espiritual; e ser espiritual, mas não religioso.

Como isso é relevante para os Psicólogos?

Se o Psicólogo não realiza intervenções baseadas na fé, então a discussão anterior será de pouca relevância profissional.

Leia também:  O que é e o que faz um terapeuta?

Afinal, ele sabe que não é preconceituoso, bem como nunca usará as crenças, práticas religiosas ou espirituais dos pacientes contra eles.

Mas, preconceito e parcialidade não são as únicas questões relevantes a serem consideradas.

Existem dados que destacam a necessidade dos Psicólogos conhecerem essas questões, serem sensíveis ao seu possível papel e significado na vida dos pacientes e serem proativos ao abordá-los.

Assim, presume-se razoavelmente, que a religião e a espiritualidade são relevantes para a vida de grande parte dos pacientes com os quais todo Psicólogo entrará em contato.

Embora as questões religiosas e espirituais não sejam o foco principal do tratamento, é provável que tenham sua relevância na vida de cada paciente, ajudando a determinar seus valores, crenças, escolhas de estilo de vida e tomada de decisões.

Assim, os Psicólogos precisam ser sensíveis, conscientes e respeitar todas as diferenças individuais, incluindo crenças, valores e práticas religiosas e espirituais.

Como isso é relevante para a terapia?

Duas razões principais pelas quais a religião e a espiritualidade é tão importante para todo Psicólogo:

  • Questões religiosas e espirituais podem levar os pacientes a procurar tratamento, incluindo conflitos sobre valores religiosos, crises de fé, sentimentos de alienação da própria religião e distorção de crenças e práticas religiosas, entre outros;
  • As crenças religiosas, espirituais e sua comunidade de fé podem ser fontes de força e apoio, que são acessadas no decorrer da terapia, de modo a ajudar os pacientes a atingir seus objetivos de tratamento.

Assim, ignorar intencionalmente ou evitar abordar as crenças e práticas religiosas e espirituais de cada paciente pode ser um grande desserviço à eles.

É importante ressaltar que não são as crenças, valores e práticas do Psicólogo que são de maior importância aqui: são as do paciente.

Implicações para a prática clínica

Durante a fase de avaliação do tratamento, todos os pacientes precisam ser questionados sobre religião e espiritualidade. Mas, isso não significa que abordá-las será o foco da terapia.

Em vez disso, levantar essas questões ajudará a promover a tomada de decisão autônoma de cada paciente sobre o seu plano de tratamento.

Se essas questões nunca forem consideradas, os pacientes vão presumir que elas não são importantes para o Psicólogo. Assim, é fundamental informar que religião e espiritualidade poderão ser adequadamente abordadas, se assim ele o desejar.

Perguntas específicas que podem ser feitas incluem:

  • A formação religiosa e espiritual do pacientes;
  • Práticas atuais;
  • Seu papel no passado e no presente da vida do paciente;
  • Quão importantes são para o paciente, bem como a influência sobre seus valores e crenças;
  • Se questões relacionadas a sua religião ou espiritualidade são relevantes para as razões para procurar tratamento;
  • Se desejam discutir essas questões com o Psicólogo;
  • Se o Psicólogo pode consultar seu líder religioso.
Leia também:  Como conseguir convencer alguém a ir no Psicólogo?

Principais questões éticas

Uma série de questões éticas devem ser consideradas para abordar de forma ponderada e apropriada questões, crenças e práticas religiosas e espirituais em terapia.

Os princípios éticos dos Psicólogos abordam muito claramente sobre diversidade e diferenças individuais no Art. 2º, item “b” do código:

  • “b) Induzir a convicções políticas, filosóficas, morais, ideológicas, religiosas, de orientação sexual ou a qualquer tipo de preconceito, quando do exercício de suas funções profissionais;”

Embora muito tenha sido escrito em outros lugares sobre essas importantes questões éticas, cada uma delas será destacada brevemente aqui:

Termo de consentimento livre e esclarecido

Os pacientes têm o direito de receber todas as informações que possam razoavelmente influenciar ou impactar sua decisão em iniciar uma terapia.

O termo de consentimento livre e esclarecido precisa abordar todas as opções de tratamento razoavelmente disponíveis, bem como seus riscos e benefícios relativos.

Assim, espera-se que a menção de questões religiosas e espirituais e sua possível relevância para o tratamento seja vista como essencial.

Competência clínica

Para fornecer uma terapia de qualidade aos pacientes, os Psicólogos devem educar-se sobre as principais religiões, crenças e práticas espirituais.

Eles também devem conhecer os limites de seu conhecimento e experiência clínica, buscando a consulta de colegas especialistas e de membros do clero quando não tiverem certeza do que fazer, bem quando enfrentarem situações clínicas fora de sua competência.

Os Psicólogos precisam garantir que têm treinamento abrangente e supervisão clínica antes de tentar integrar práticas religiosas ou espirituais à terapia.

Consulta e elaboração com outros profissionais

Em geral, quando confrontados com desafios e dilemas, e com o consentimento do paciente em compartilhar informações específicas sobre ele, os Psicólogos devem consultar colegas experientes e membros do clero de forma contínua.

Às vezes, é fundamental colaborar com membros do clero no tratamento de um paciente.

Novamente, isso só deve ser feito com a prévia autorização por escrito do paciente. Mas, às vezes, essa colaboração pode também ser do interesse dele e, portanto, deve ser considerada.

Limites e múltiplas relações

Ao abordar questões religiosas e espirituais em terapia com seus pacientes, os Psicólogos precisam evitar a transferência, ou seja, acabarem sendo vistos no papel de clero.

Os Psicólogos também devem ser cautelosos ao impor seus valores aos pacientes, bem com adotar uma abordagem prescritiva no tratamento.

Leia também:  O valor oculto da terapia online que vão além das sessões

Integrando religião e espiritualidade com a terapia

Existe uma ampla gama de intervenções, algumas das quais podem ser apropriadas para alguns pacientes (se o consentimento foi empregado adequadamente e o Psicólogo possui a competência clínica), enquanto outras são inadequadas e até prejudiciais.

A integração de temas religiosos e espirituais na terapia varia desde fazer perguntas sobre as crenças, valores e práticas de um paciente, até recomendações baseadas em valores específicos e envolvimento em atividades e práticas religiosas, como meditação ou oração.

Existem vários modelos de tomada de decisão que são úteis para o Psicólogo na tomada de decisões ponderadas e informadas sobre como e quando abordar questões religiosas e espirituais com pacientes, e como e quando não integrar intervenções religiosas e espirituais.

Um modelo abrangente de tomada de decisão inclui:

  • Avaliar respeitosamente as crenças e preferências religiosas ou espirituais do cliente;
  • Avaliar cuidadosamente qualquer conexão entre o problema apresentado com as crenças e compromissos religiosos ou espirituais;
  • Incluir os resultados desta avaliação no termo de consentimento livre e esclarecido;
  • Considerar a contratransferência do Psicólogo para a religiosidade do cliente;
  • Avaliar a competência para o caso do paciente;
  • Consultar especialistas na área de religião e terapia;
  • Se apropriado, clinicamente indicado e o paciente der consentimento, consultar o líder espiritual do paciente ou outro profissional religioso;
  • Decidir sobre tratar o paciente ou fazer um encaminhamento;
  • Avaliar os resultados e ajustar o plano de acordo.

Considerações finais

Espero que este breve artigo forneça uma introdução a este tópico, e que os Psicólogos:

  • Busquem educação contínua sobre religião e espiritualidade;
  • Como ela afeta a saúde mental dos indivíduos;
  • Como ela é relevante para a terapia;
  • Como ela pode ser abordada e integrada quando as questões éticas mencionadas anteriormente forem cuidadosamente consideradas e abordadas;
  • Tornem-se educados e informados sobre questões religiosas e espirituais;
  • Façam consultas contínuas e colaborem com outros profissionais;
  • Mantenham limites apropriados;
  • Pratiquem a terapia dentro de suas competências clínica;
  • Utilizem um processo de tomada de decisões ponderado;

Está claro que os Psicólogos não precisam e não devem se esquivar dos domínios religiosos e espirituais da vida das pessoas.

Ajudar os pacientes a utilizar suas crenças e práticas espirituais e religiosas como recursos para seu bem-estar mental e emocional reduz o sofrimento.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *