Problemas no casamento: como pensar como um Psicólogo?

Homem acariciando o cabelo de uma mulher de olhos fechados e sorrindo

Categoria: Casamento

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Seu relacionamento não está indo bem. Talvez vocês discutam o tempo todo, seu cônjuge trabalha demais, vocês não têm tempo suficiente como casal, não fazem sexo o suficiente, tem problemas com episódios de raiva ou vícios como a bebida.

A lista pode continuar indefinidamente, e é assim que a maioria inicia a terapia de casal: “eu tenho um problema com ele, com ela, e se eu ou você ou ambos pudermos convencê-lo a trabalhar menos, fazer com que controle sua raiva, as coisas serão muito melhores.

Este é o pensamento binário envolvido em grande parte dos conflitos conjugais: você/eu, mude/não mude, seu problema/meu problema, você está certo/eu estou certo.

Pensar nos problemas dessa maneira é compreensível, mas geralmente não é produtivo. Esse tipo de conversa facilmente provoca discussão sobre quem está certo, qual é o problema mais importante, ou o pior de tudo, torna-se uma luta pelo poder com ambos esperando para ver quem cederá primeiro. Um verdadeiro cabo-de-guerra improdutivo!

Leia também:  Você é casado, mas apaixonado por outra pessoa?

A boa notícia é que existem maneiras melhores de pensar sobre esses assuntos de relacionamento. Aqui estão cinco maneiras de encarar os problemas da mesma forma que um Psicólogo faria:

Corrija o que impede de resolver problemas

Quando os casais dizem que discutem o tempo todo, fico me perguntando pelo que discutem. Claro que eles podem discordar, mas será que podem dizer quando a conversa se transforma em uma luta pelo poder, ou que simplesmente não estão chegando a lugar algum? Trata-se de regulação emocional.

Depois que cada parceiro se acalmar, eles podem voltar e resolver o problema?

O que muitos casais fazem é fingir que nada está acontecendo, e varrem o problema para debaixo do tapete, com medo de começar outra discussão. Como resultado, os problemas não resolvidos tornam-se como minas terrestres que devem ser evitadas constantemente. A harmonia do casamento está perdida.

O sucesso do relacionamento não é não ter problemas, mas resolvê-los por meio de conversas produtivas e um mútuo dar e receber. Trata-se de habilidades, não de personalidade.

Corrijam o problema sob o problema

O que rotulamos como problema geralmente é a má solução para algo mais profundo e latente. Ser controlador, por exemplo, envolve ansiedade. Ao invés de responder com “Sai do meu pé!” pergunte: “Com o que você está preocupado?”

Publicidade

Da mesma forma, conversem sobre o problema da bebida, a compulsão por trabalho, a falta de interesse por sexo. Sejam curiosos e compassivos. Vejam se vocês podem desenvolver um plano e comportamentos concretos, para que saibam exatamente o que fazer para ajudar.

Leia também:  Como saber se você e o futuro parceiro são compatíveis?

Quebrem o padrão dos loops disfuncionais

Casais rapidamente entram em loops disfuncionais: “sinto-me criticado, me retraio, me sinto negligenciado, fico com raiva, me afasto mais, me sinto mais negligenciado e com mais raiva…” e assim sucessivamente. Dá-se voltas e mais voltas até que um dos cônjuges decida pelo divórcio ou exploda.

Embora vocês possam pensar que o problema é o cônjuge, o verdadeiro problema é o próprio loop. O objetivo é quebrar o ciclo, em vez de tentar fazer com que a outra pessoa mude. Aqui, o ponto de partida é identificar e falar sobre o padrão, de modo a chegarem a um plano para quebrá-lo.

Normalmente, o que está provocando as reações e estabelecendo esses loops são gatilhos antigos e da infância. Concentrem-se no presente: como podemos ajudar um ao outro de modo a não nos sentirmos provocados?

Ao fazer isso ao longo do tempo, vocês não apenas terão uma comunicação melhor para a resolução de problemas, mas também se ajudarão a curar velhas feridas.

Mudem o clima emocional

Em vez de se concentrarem em mudar a outra pessoa e o que ela está fazendo, concentrem-se em mudar o clima geral do relacionamento.

Sempre há tensão? Vocês dois estão pisando em ovos? As conversas são sempre sobre o que está errado e não sobre o que é certo?

Leia também:  Não faça do cônjuge o seu Psicólogo

Concentrem-se no que estão fazendo. Aqui vocês intencionalmente trarão mais positividade ao relacionamento, mais elogios e agradecimentos, mais afeto e mais honestidade ao falar e dizer o que você quer e sente.

A chave é focar em vocês, mas sem esperar algo em troca. Abaixem a cabeça e façam isso por algumas semanas, depois levantem a cabeça e veja se o clima mudou.

Tratem o relacionamento como uma criança

Existe você e eu, e também existe nós. Pensem em seu relacionamento como uma criança pela qual ambos são responsáveis ​​por cuidar.

Quando a criança fica doente e tem dificuldades emocionais, vocês precisam cuidar dela. É hora de não discutir sobre quem ou por quê, mas sim de dar um passo à frente e fornecer a atenção e cuidado necessários. Se a criança se sente melhor, nós nos sentimos melhor.

Obviamente, vocês podem misturar e combinar qualquer uma dessas abordagens. O que elas têm em comum é sair do pensamento binário sobre que problema é de quem, quem é o culpado e quem precisa mudar.

Vejam o que mais ressoa em vocês individualmente. E então experimentem e mantenham as expectativas baixas. Finalmente, deêm um tapinha nas próprias costas por fazer isso de maneira diferente.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *