6 dicas para melhorar sua autoestima

Mulher negra olhando para cima e com o corpo pintado com tinta colorida

Categoria: Autoestima

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

As pessoas geralmente ficam confusas sobre o que significa ter uma boa autoestima. Enquanto uns acham que isso tem a ver com a aparência, ou com a popularidade entre amigos e outras pessoas, outros acreditam que ter um ótimo corpo ou ter realizado algo bom ajudará a melhorar sua autoestima.

Resumindo: autoestima significa simplesmente a opinião que temos de nós mesmos, incluindo as falhas, os defeitos, os acertos e tudo mais que fizer parte.

Quando a autoestima é saudável, nos sentimos positivos sobre nós e sobre a vida em geral. Isso nos torna mais capazes de lidar com os altos e baixos. Mas, quando a autoestima está baixa, nos vemos sob uma luz mais negativa e crítica. Também nos sentimos menos capazes de enfrentar os desafios que a vida nos lança.

A diferença entre alguém com uma boa ou baixa autoestima é simplesmente o reconhecimento de seus próprios pontos fortes e fracos, sabendo se mover pelo mundo com segurança nesse conhecimento.

O que causa a baixa autoestima?

A baixa autoestima geralmente começa na infância. Nossos professores, amigos, irmãos, pais e até a mídia nos enviam mensagens positivas e negativas sobre nós mesmos. Por alguma razão, a mensagem de que você não é bom o suficiente é a que normalmente prevalece.

Estresse e eventos difíceis da vida, como doenças graves ou luto, também têm um efeito negativo na autoestima.

A personalidade também desempenha um papel importante. Algumas pessoas são apenas mais propensas a pensamentos negativos, enquanto outras estabelecem padrões impossivelmente altos para si mesmas.

Como ter uma autoestima melhor?

Para aumentar sua autoestima, é preciso identificar as crenças negativas que tem sobre si mesmo e desafiá-las. Você pode dizer a si mesmo que é “muito estúpido” para se candidatar a um novo emprego, por exemplo, ou que “ninguém gosta de você“.

Por hora pode haver pouca confiança por causa do que aconteceu enquanto estava crescendo, mas é possível crescer e desenvolver novas maneiras de nos ver, independente da idade.

Veja estas dicas:

Faça um inventário de autoestima

Simplesmente generalizar e dizer: “Eu sou péssimo.”, “Eu sou uma pessoa má.”, “Não posso fazer nada.”, é contar a si mesmo uma mentira simples, mas muitas vezes convincente.

Leia também:  Medo do abandono: como identificar e gerenciar o problema?

Estou aqui para lhe dizer que não é verdade. Todos nós somos péssimos de vez em quando. A solução não é mergulhar no pessimismo como o núcleo da sua identidade, mas reconhecer as falhas e seguir em frente.

Pegue um pedaço de papel. Desenhe uma linha no meio dela. No lado direito, escreva: “Forças” e no lado esquerdo, escreva: “Fraquezas”. Liste 10 de cada um. Sim, 10. Isso pode parecer muito do lado dos pontos fortes se você sofre de baixa autoestima, mas se esforce para encontrar todos os 10.

Se você estiver com dificuldades para criar 10, pense no que os outros lhe disseram ao longo dos anos. “Obrigado por me ouvir na outra noite, quando tudo o que fiz foi falar com você!”, “Você fez um ótimo trabalho nesse projeto, obrigado por participar.”, “Eu nunca vi alguém que apreciasse o trabalho doméstico tanto quanto você.”, “Você parece ter um talento real para contar uma história.”.

Mesmo se você acha que as “Forças” são estúpidas ou muito pequenas para listar, faça a lista mesmo assim. Você pode se surpreender com o quão fácil é apresentar os 10 pontos quando o aborda sob essa perspectiva.

Este é o seu inventário de autoestima. Ele permite que você saiba tudo o que você já diz a si mesmo sobre o quanto você é péssimo, além de mostrar que há tantas coisas nas quais você não é ruim.

Algumas das fraquezas que você também pode mudar, se você se dispor a trabalhar nelas, uma de cada vez, ao longo de um mês ou até um ano.

Lembre-se, ninguém muda as coisas da noite para o dia, portanto, não defina uma expectativa irreal de que você pode mudar qualquer coisa em apenas uma semana.

Construa relacionamentos positivos

Se você descobrir que certas pessoas querem prejudicá-lo, passe menos tempo com elas, ou diga-lhes como se sente sobre suas palavras ou ações.

Envolva-se em relacionamentos com pessoas que são positivas e que te apreciam.

Defina expectativas realistas

Nada pode matar nossa autoestima mais do que estabelecer expectativas irreais. Lembro-me de que quando eu tinha 20 anos, pensei: “Preciso ser milionário quando tiver 30 anos ou irei falhar”.

Os 30 chegaram e eu não estava nem perto de ser um milionário. Eu estava mais endividado do que nunca, e possuir uma casa ainda era um sonho distante. Minha expectativa era irrealista e minha auto-estima se abalou e vi a que distância esse objetivo estava.

Às vezes, nossas expectativas são muito menores, mas ainda não realistas. Por exemplo, “gostaria que minha mãe (ou pai) parasse de me criticar”. Adivinha? Eles nunca vão!

Mas isso não é motivo para deixar que as críticas afetem sua própria visão de si mesmo ou sua autoestima. Verifique suas expectativas se elas continuarem decepcionando você. Sua autoestima vai agradecer.

Leia também:  O que fazer quando alguém não gosta de você sem motivo?

Isso também pode ajudá-lo a interromper o ciclo de pensamentos negativos sobre si mesmo e que reforçam nossa autoestima negativa.

Quando estabelecemos expectativas realistas em nossa vida, podemos parar de nos repreender por não atingirmos algum objetivo.

Celebre as realizações e os erros

A perfeição é simplesmente inatingível para qualquer um de nós. Deixe-a ir. Você nunca será perfeito. Você nunca terá o corpo perfeito, a vida perfeita, o relacionamento perfeito, os filhos perfeitos ou o lar perfeito.

Nós nos divertimos com a ideia de perfeição, porque vemos muito disso na mídia. Mas isso é simplesmente uma criação artificial da sociedade. Isso não existe.

Em vez disso, celebre suas realizações à medida que as alcança. Reconheça-os por seu valor real (não os desvalorize dizendo: “Oh, isso? Isso é tão fácil para mim, não é grande coisa”). Mantenha um pequeno diário ou uma lista de coisas que você realiza.

Algumas pessoas podem até fazer isso diariamente, enquanto outras podem se sentir mais confortáveis ​​observando-as uma vez por semana ou até uma vez por mês. A chave é atingir seus objetivos menores e seguir em frente, como um jogo da vida dos pontos-a-ponto.

É tão importante tirar algo dos erros que você comete na vida. Isso não significa que você é uma pessoa má, simplesmente significa que você cometeu um erro (como todo mundo faz).

Os erros são uma oportunidade para aprender e crescer, se nos afastarmos da autocomiseração ou do diálogo interno negativo em que mergulharmos.

Explore você mesmo

“Conheça a si mesmo” é um velho ditado transmitido através dos tempos, para nos encorajar a participar da auto-exploração. Geralmente, as pessoas mais bem-ajustadas e mais felizes que conheço são as que passaram por esse exercício.

Não se trata apenas de conhecer seus pontos fortes e fracos, mas também de se abrir para novas oportunidades, novos pensamentos, experimentar algo novo, novos pontos de vista e novas amizades.

Às vezes, quando estamos deprimidos e nossa autoestima sofreu um grande golpe, sentimos que não temos nada a oferecer ao mundo ou aos outros.

Pode ser que nós simplesmente não encontramos tudo o que temos para oferecer. Aprender o que são é simplesmente uma questão de tentativa e erro. É assim que as pessoas se tornam as pessoas que sempre quiseram, assumindo riscos e tentando coisas que normalmente não fariam.

Esteja disposto a ajustar sua própria auto-imagem

A autoestima é inútil se for baseada em uma versão mais antiga e que não existe mais. Eu costumava ser bom em muitas coisas, mas hoje não sou mais tão bom.

Eu me destacava em matemática enquanto estava no ensino médio, mas hoje não conseguiria resolver um problema de cálculo para salvar minha vida. Eu pensava que era muito inteligente, até aprender o pouco que sabia. Eu poderia tocar trombone muito bem em um ponto, mas não mais.

Leia também:  Como saber se há alguma coisa de errado comigo?

Mas tudo está bem. Eu ajustei minhas próprias crenças sobre mim e meus pontos fortes à medida que avançava. Tornei-me um escritor melhor e aprendi mais sobre negócios do que jamais conheci antes.

Eu não sento e digo: “Nossa, eu realmente gostaria de poder tocar trombone como costumava fazer!” (E se eu me importasse o suficiente para pensar nisso de verdade, aproveitaria algumas lições para melhorar a situação novamente.) Em vez disso, me avalio com base no que está acontecendo na minha vida agora, não em uma versão antiga distante de mim.

Continue ajustando sua auto-imagem e autoestima para corresponder às suas habilidades atuais, não às do seu passado.

Pare de se comparar com os outros

Nada pode prejudicar nossa autoestima mais do que comparações injustas. “Paulo tem 3.000 amigos no Facebook, enquanto eu só tenho 300.”, “Maria pode me ultrapassar em campo quando jogamos bola.”, “Elizângela tem uma casa maior e um carro bonito do que eu.”.

Você pode ver como isso pode afetar nossos sentimentos sobre nós mesmos, mas continuamos a fazer esse tipo de coisa todos os dias.

Eu sei que é difícil, mas você precisa parar de se comparar aos outros. A única pessoa com quem você deve competir é você mesma. Essas comparações são injustas porque você não sabe tanto quanto pensa sobre a vida dessas outras pessoas, ou como é realmente ser elas.

Aprenda a dizer não para outras pessoas

Pessoas com baixa autoestima geralmente sentem que precisam dizer sim para todos, mesmo quando realmente não querem. O risco é ficar sobrecarregado, ressentido, zangado e deprimido.

Na maioria das vezes, dizer não não perturba os relacionamentos. É fundamental continuar dizendo não, mas de maneiras diferentes, até que entendam a mensagem.

A importância dos pequenos passos

Eu sei que fiz tudo parecer fácil, mas não é. Melhorar sua autoestima leva tempo, tentativa e erro e requer paciência de sua parte. Você provavelmente descobrirá que fez pequenas melhorias ao longo de um período de tempo.

O segredo é olhar para o longo prazo, e não para o dia a dia, e focar no quadro geral, não nos detalhes de como você se sentiu em um determinado momento ontem.

Quando você se sentir bem ou fizer algo bom, celebre, e não se culpe se ocasionalmente voltar a padrões negativos de pensamento. Apenas levante-se e tente pensar de forma mais positiva.

Eventualmente, isso se tornará um hábito e você descobrirá que sua autoestima melhorou discretamente.

Boa sorte!

Publicidade

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *