Como convencer alguém a fazer um tratamento psicológico?

Uma mulher tentando convencer outra a buscar tratamento psicológico

Categoria: Terapia online

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

É difícil ver as pessoas de quem gostamos passarem por momentos difíceis, sofrendo de mau humor ou depressão. E ainda mais difícil se soubermos que elas estariam sofrendo menos se procurassem ajuda.

Mas, como convencer um parente ou amigo que fazer tratamento psicológico é uma boa ideia, sem se deparar com uma resistência?

Certifique-se de que não seja por sua própria necessidade

É importante separar suas próprias necessidades e desejos da ajuda real.

Só porque você não está se dando bem com alguém, seja porque ele mudou maneiras que você gostava, ou quer que ele se comporte do jeito que você quer, não significa necessariamente que precise fazer um tratamento psicológico.

Verifique:

  • Ele não está gostando das coisas que costumava fazer?
  • Seu humor parece repentinamente errático, ou a própria personalidade mudou?
  • Ele não está se cuidando adequadamente?
  • Ele está exibindo sintomas de outras condições psicológicas, como um luto difícil, um distúrbio alimentar ou abuso de álcool?
  • Você conhece o suficiente sobre como funciona o plano de tratamento em um tratamento psicológico?

Se estiver apenas seguindo o capricho ou sugestão de outra pessoa, é fundamental se informar mais.

Leve a conversa a sério

Não descarte casualmente a sugestão de que ele veja um Psicólogo em uma conversa aleatória.

Dizer a alguém que ele precisa procurar ajuda é coisa séria, e merece uma conversa séria.

Agir de improviso fará a outra pessoa suspeitar ou até mesmo fazê-la pensar que você não leva a sério a condição, passando a impressão exatamente oposta à que você deseja.

Diga que você precisa de um tempo para uma conversa importante. Afinal, é algo que você quer que ele leve a sério.

Esclareça que você não o está abandonando

Os efeitos colaterais de alguns transtornos incluem a paranoia e a baixa autoestima.

Leia também:  Por que os homens não fazem terapia?

Às vezes acontece, caso seu amigo ou parente esteja deprimido, dele pensar que você está tentando “se livrar dele”, em razão de seu humor deprimido.

Certifique-se de que entendam que você não está tentando substitui-lo por um Psicólogo, mas que pretende continuar disponível para ele. A menos, é claro, que isso não seja verdade

Informe à pessoa que um Psicólogo não é o mesmo que um amigo ou familiar.

Este profissional oferece um tipo de ajuda diferente da sua, que parte da neutralidade e da capacidade de ver as coisas por uma nova perspectiva, além da ampla escuta e compreensão.

Seja sensível ao onde e como a conversa acontecerá

Respeite a privacidade. Descubra o momento em que ela esteja relaxada e não distraída.

Não sugira que ela procure tratamento psicológico:

  • Na frente de outras pessoas;
  • Onde outras pessoas possam ouvir;
  • Em um lugar onde elas não se sentem à vontade.

E acima de tudo, nunca use a sugestão de fazer tratamento psicológico como uma arma contra ela durante uma briga.

Esta é uma maneira infalível de fazer com que alguém se feche completamente para a ideia de procurar ajuda, uma vez que isso parecerá um rebaixamento.

Buscar ajuda é um ato de coragem, e não de fraqueza. Todos nós precisamos de ajuda de vez em quando.

Certifique-se de reconhecer e refletir sobre isso, respeitando-a no onde e como você vai sugerir que tente tratamento psicológico.

Mantenha a sugestão entre vocês

Não importa o que os outros tenham ou não dito, pensem ou não pensem. Esta conversa é entre você e seu amigo ou parente.

Trazer outra pessoa para a discussão pode ser interpretado como um ataque, o que certamente a deixará na defensiva.

Ninguém gosta de saber que teve seu nome citado pelas costas. Ainda mais considerando que uma pessoa deprimida é mais sensível do que o normal.

Sentir-se encurralado vai deixá-lo sobrecarregado, e sentindo-se ainda mais incompreendido. A pessoa não só afastará o seu apoio, mas a de um Psicólogo também.

Publicidade

Pense bem antes de mencionar alguém que você conhece e que fez tratamento psicológico.

Embora algumas pessoas estejam interessadas em ouvir a experiência positiva de outra pessoa, isso pode parecer uma tática de persuasão e provocar intimidação.

Esteja preparado para uma atitude defensiva

Infelizmente, apesar de grandes avanços contra os mal-entendidos, a ideia de buscar apoio para a saúde mental pode vir com estigmas.

Isso significa que a pessoa pode se sentir bastante insultada ao você sugerir que faça um tratamento psicológico. Portanto, não leve para o lado pessoal caso fique chateada.

Leia também:  A Psicologia por trás das faltas na sessão de terapia

Elabore respostas para qualquer contra-argumento que lancem na defensiva.

Se você suspeitar que ela dirá que não têm tempo, convém já ter avaliado a presença de um bom Psicólogo próximo, ou oferecer uma lista de sites aos qual a pessoa pode acessar.

Se você sabe que o dinheiro será um problema, pode até mesmo se oferecer para pagar pelas primeiras sessões, se for uma possibilidade.

Seja empático e não simpático

Empatia é entender o que alguém está passando, enquanto simpatia é ter pena de alguém pelo que está passando.

Sentir pena de alguém tem a conotação de que você se coloca acima dela. Isso faz com que a pessoa se sinta envergonhado por seus fracassos, quando na verdade todos nós passamos por problemas.

É na dificuldade que mais crescemos e aprendemos.

Atenha-se aos fatos

As generalizações levam ao debate, as opiniões levam ao progresso e os fator levam às decisões.

Em vez de dizer que ele parece cansado, diga percebeu o envio de um e-mail às 5 da manhã.

Assim, você pode certificar-se de que não está apresentando sua própria interpretação como um fato.

Por exemplo, dizer “suas mudanças de humor são difíceis para todos os outros” é somente o que você pensa. Contudo, você não pode realmente saber o que todo mundo tem na cabeça. A verdade está mais para algo como: “estou achando suas mudanças de humor difíceis”.

Cuidado com a linguagem

É muito importante que você não faça a outra pessoa se sentir culpada por seus problemas emocionais ou mentais.

Se a depressão ou o mau humor dela causou atrito entre vocês, e você sentir raiva, então a sugestão de tratamento psicológico é uma conversa para outra hora.

Use uma linguagem isenta de culpa, com frases que comecem com “eu”, em vez de “você”. Por exemplo, “sinto que o tratamento psicológico pode ser uma opção útil” é melhor de se dizer do que “você deveria fazer um tratamento psicológico” (O que traz algumas palavras que impõem sua vontade sobre outra pessoa)

Isso inclui palavras como “deveria”, “deve” ou “tem que”. Estas palavras não são baseadas em fatos, mas em opiniões.

E, naturalmente, não use palavras que pareçam que cuidar da saúde mental é algo negativo. Já é ruim o suficiente que haja algum estigma associado a lidar com desafios emocionais e mentais.

Frases como “louco”, “não está bem da cabeça” e “doente mental” não são boas em nenhuma conversa.

Aponte os aspectos positivos

O tratamento psicológico é como dar a si mesmo um presente de apoio, de uma nova perspectiva e de encontrar novos caminhos a seguir.

Leia também:  Quando é hora de parar com a terapia?

Isso envolve a possibilidade de criar um futuro que o torne mais feliz.

Não se esqueça de incluir esses pontos positivos, em vez de se concentrar apenas em seu humor e em como você está preocupado.

Seja honesto

Pode ser tentador fazer as coisas parecerem mais fáceis do que são para seu amigo ou parente, especialmente se eles parecerem particularmente frágeis.

Você pode querer fingir que está menos ou mais preocupado do que está, fingir que o tratamento psicológico é divertido, ou algum outro tipo de “truque” para levá-los a dizer sim.

Só que isso vai sair pela culatra e fazer com que se sintam manipulados.

A verdade, falada com boa vontade e bondade, funciona melhor, mesmo quando o que estamos dizendo é difícil.

Considere se você mesmo precisa de tratamento psicológico

Uma das maneiras pelas quais você será honesto é avaliando se não é você mesmo quem precisa de tratamento psicológico. Isso é particularmente verdade caso seu humor dependa da decisão de seu amigo ou parente.

Mesmo que você não se sinta “deprimido”, isso não significa que não precise de apoio. Você pode precisar de tratamento psicológico se:

  • Estiver em um relacionamento em que está muito focado no que há de errado com seu parceiro;
  • Estiver sempre preocupado com o que há de errado com as pessoas ao seu redor;

Se concentrar demais nos outros é sinal de que você está evitando coisas internas, como codependência ou baixa autoestima.

Não se esqueça que você também pode procurar um tratamento psicológico junto com seu parente, na forma de terapia de casais ou terapia familiar.

E, finalmente, deixe que a pessoa decida

Não importa o quanto você ame e cuide de alguém, não pode levar a vida dele por ele.

Se a pessoa não quer fazer um tratamento psicológico agora, forçá-la significa que ela nunca irá. Isso tornará seu sistema de apoio menor em um momento que ela mais precisa.

Compartilhe como você está se sentindo da maneira mais aberta, honesta e gentil possível. Saiba que a pessoa usará as informações que você compartilhou quando estiver pronta.

Em seguida, reúna toda a sua paciência e deixe-a fazer a escolha por si mesma.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *