A complicada verdade sobre mentir para o parceiro

Homem retirando uma máscara de borracha que se parece com ele

Categoria: Casamento

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Todos nós mentimos, sendo essa uma característica profundamente humana. Os mais populares e socialmente hábeis entre nós são, geralmente, os maiores mentirosos de todos.

As razões que temos para mentir não são nenhuma surpresa e variam de inocentes a sinistras:

  • Não queremos ferir as pessoas que gostamos;
  • Queremos controlar a percepção que outras pessoas têm de nós;
  • Queremos manter ou aumentar nosso status;
  • Proteger nossos próprios interesses egoístas e;
  • Queremos controlar os outros.

Mas, por mais fundamental que mentir pareça ser, relacionamentos de confiança também são uma necessidade humana básica e, como todos sabemos, mentir destrói a confiança.

Pequenas mentiras são a porta de entrada para mentiras maiores. Às vezes elas se tornam tão grandes que passamos a acreditar nelas, até sermos pegos e forçados a suportar suas consequências, tão prejudiciais ao relacionamento que deterioram o vínculo destroem completamente o relacionamento.

Leia também:  Como fazer ele sentir a sua falta com vários truques infalíveis?

As mentiras começam como autopreservação, mas se transformam em autodestruição. É comum pensar que as consequências de dizer a verdade superam o risco de contar uma mentira, mas mesmo quando você não é pego, a mentira causa prejuízos.

Tive um paciente que sempre mentia na terapia, e quando o questionei sobre as razões disso ele afirmou que não queria parecer mal. Ele acreditava que as mentiras que contava eram para autopreservação, quando na verdade eram autossabotadoras e dificultavam seu progresso.

As mentiras da maioria das pessoas decorrem de um desejo semelhante de autopreservação, mas são, em última análise, autodestrutivas. Mentir, mesmo que você não seja pego, impede uma conexão autêntica e um vínculo com outro ser humano.

A intenção para mentir importa?

Grande parte das pessoas acredita que as intenções justificam a mentira. Mentir para não ferir os sentimentos de outra pessoa é mais gentil do que feri-los. Mas isso é uma ladeira muito escorregadia.

Publicidade

E as mentiras de omissão? Deliberadamente omitir informações importantes para evitar ferir alguém é, em última análise, como esconder seu próprio comportamento. Você estará violando o direito do parceiro em fazer a própria escolha sobre se o que você fez é aceitável ou não.

Leia também:  Quando as amizades inadequadas atrapalham um casamento?

Como superar nossa inclinação natural de mentir de vez em quando?

Faça da honestidade com seu parceiro uma decisão consciente e um hábito. Quando você faz um esforço regular para ser sincero, mesmo com as pequenas coisas, torna-se menos fácil contar grandes verdades.

Saber que as consequências ruins sempre superam os benefícios é algo que deve manter presente em sua mente. Para muitas pessoas, encontrar um relacionamento bom e de confiança é uma tarefa monumental na vida. Destruir um relacionamento perfeitamente bom porque não pensou nas consequências de uma mentira é, de certa forma, uma tragédia.

Da próxima vez que você for tentado a mentir, diga a verdade sobre por que você quer mentir:

  • “Tenho muito medo de que você fique chateado comigo, mas aqui está o que aconteceu…”;
  • “Parece que seria mais fácil mentir para você, mas a verdade é…”;
  • “Eu não quero ferir seus sentimentos, mas já que você perguntou aqui é o que eu realmente penso…”

Dizer a verdade têm o efeito oposto de mentir. Em vez de criar distância e inautenticidade, cria confiança e vínculo, que é o que a maioria das pessoas precisa em seus relacionamentos.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *