Por que ir ao Psicólogo ao invés de desabafar com os amigos?

Um homem triste e sentado dentro de uma casa desenhada com giz branco

Categoria: Psicólogo online

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Importante: este artigo é meramente informativo e insuficiente para um diagnóstico definitivo. Sendo assim, é recomendado agendar uma consulta sobre seu caso em particular.

Publicidade
Início do artigo

Ao desabafar com os amigos, compartilhar emoções ou experiências de vida difíceis, é fundamental ter certeza de que a pessoa com quem você está conversando esteja disposta a ouvi-lo, e que essas conversas sejam consensuais.

Também é importante que as informações pessoais divulgadas correspondam à proximidade e ao nível de confiança no relacionamento.

Por exemplo, compartilhar insatisfação com a vida sexual com um colega durante um almoço casual pode gerar desconforto e provocar uma conversa forçada.

Dependendo da hierarquia do relacionamento, um amigo terá dificuldade em estabelecer limites e, portanto, sentir-se preso ou assediado.

Apoiar uns aos outros em tempos difíceis traz grandes benefícios para nossa psique. No entanto, é importante considerar o equilíbrio.

Leia também:  Compreenda como a pandemia facilitou o acesso à terapia online

Embora a intenção do compartilhamento seja nos libertar de emoções difíceis, devemos ter cuidado para não sobrecarregar as pessoas.

Nas amizades, a reciprocidade de apoio, compaixão e respeito, independentemente do que esteja acontecendo na vida, é fundamental.

Cruzar limites compartilhando demais ou solicitando muito espaço prejudica os relacionamentos, e faz com que seus amigos limitem as interações com você.

Você está exagerando ao desabafar com os amigos?

Pergunte a si mesmo se seu amigo também teve a chance de compartilhar os próprios sentimentos ou experiências.

  • Seu amigo parece sobrecarregado, ansioso ou deprimido durante as conversas com você?
  • Ele é capaz de oferecer compaixão e apoio genuíno?
  • Você passou todo o tempo falando sobre seu chefe?
  • Seu amigo também teve a chance de desabafar sobre a vida dele?
  • Você está aberto para ouvir a perspectiva dele e seguir seus conselhos?
  • Você reclamou repetidamente da mesma coisa sem considerar qualquer opção que pudesse levar a uma resolução?
  • Você está falando muito mais do que seu amigo?
  • Você está obtendo algum alívio com as conversas?
  • Você pediu permissão para falar sobre algo tão pessoal?
  • Se seu amigo parece desconfortável ou tenso durante as conversas, então você está compartilhando demais;
  • Se o seu amigo está entrando menos em contato, ou dando desculpas para interromper as conversas, então você está ultrapassando os limites;
  • Se seu amigo não estiver falando sobre acontecimentos de sua própria vida, talvez você não esteja dando-lhe espaço para fazê-lo.
Leia também:  Quando o Psicólogo pode se recusar a atender um paciente?

Procure um Psicólogo para curar suas feridas emocionais

Uma razão inconsciente por trás do despejar emoções reprimidas em outra pessoa é devido a um trauma não resolvido.

Isso não é apenas exaustivo para as outras pessoas, mas também prejudicial para você.

Despejar todos os seus problemas em um amigo é uma forma inadequada de resolver eventos difíceis ou com dinâmicas desafiadoras.

Ao contar uma história traumática, por exemplo, você sentirá que está revivendo a experiência. Se a pessoa não estiver preparada para orientá-lo, uma nova traumatização acontecerá.

Despejar seus traumas em alguém despreparado fará com que a pessoa se afaste de você, provocando sentimentos de abandono, diminuindo sua autoestima e seu senso de valor próprio.

Como agir para lidar com sentimentos negativos?

Encontre maneiras saudáveis ​​de expressar suas emoções

Registrar um diário, meditar e atividades criativas, como pintar, tocar música ou outras formas de arte, são formas valiosas de expressar emoções.

As práticas de atenção plena e autocompaixão são formas construtivas de:

  • Dar sentido ao seu problema;
  • Identificar seus gatilhos;
  • Aprender como regular suas emoções.

Cuide do seu corpo

Incorporar alimentação, sono e exercícios saudáveis ​​promoverá o bem-estar físico e, por sua vez, trará grandes benefícios também para a saúde mental.

Acalmar o sistema nervoso passando algum tempo na natureza, tomando banhos demorados ou ouvindo música são estratégias eficazes para acalmar e regular as emoções.

Todos nós temos partes que não gostamos, histórias que preferimos não contar e sentimentos que preferiríamos não sentir.

Leia também:  Como é a primeira sessão de terapia online com o Psicólogo?

Porém, quanto mais evitamos os elementos sombrios da nossa identidade, mais poder eles têm sobre nós.

Assim, eles se manifestam como:

  • Sintomas psicossomáticos;
  • Problemas sociais;
  • Mau desempenho acadêmico ou profissional;
  • Problemas com a justiça;
  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Doenças físicas;
  • Tendência a acidentes.

A terapia dá a oportunidade de enfrentar o lado sombrio em um espaço seguro.

Publicidade

Um Psicólogo sempre vai ajudá-lo nos momentos de crise, oferecendo recursos e referências para enfrentar desafios específicos.

A jornada terapêutica permite a expressão de emoções associadas a eventos traumáticos, bem como ensina novas maneiras de abordar situações desafiadoras.

Palavras finais ao desabafar com os amigos

Explorar a dinâmica familiar e compreender nossos estilos iniciais de apego permite-nos reconhecer os ciclos viciosos em que nos encontramos, bem como examinar as repetidas narrativas que nos impedem de viver a vida no seu potencial máximo.

Ao contrário das amizades, as relações terapêuticas são incondicionais. Ele é uma ferramenta de cura onde você encontra aceitação, consistência e compaixão genuínas.

O processo terapêutico fomenta o sentimento de confiança e cultiva formas seguras de relacionamento com o outro, que, com o tempo, serão transferidas para o cotidiano.

Sobre o autor: Emilson Lúcio da Silva

Avatar de Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Artigos relacionados

Avatar do Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Autor: Psicólogo Emilson Lúcio da Silva

Emilson Lúcio da Silva é Psicólogo desde 2012. Ele possui o título de especialista pelo Conselho Federal de Psicologia e é reconhecido como uma autoridade na área de saúde mental.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *